Contador não é mágico

23 dez
facebooktwittergoogle_pluslinkedin

Recentemente fui a um espetáculo circense onde o mágico fez sumir diante da plateia um helicóptero. Certamente, inspirados em espetáculos de circo, muitas entidades públicas pedem aos contadores para fazer desaparecer empenhos ao final do ano.

Contador não é mágico, não pode fazer desaparecer empenhos, tampouco qualquer outra espécie de dívida. Certa vez fui questionado sobre o que poderia se fazer na contabilidade considerando que o órgão estava endividado. Sem titubear eu disse: gastar menos e fazer gestão financeira.

É impressionante como ainda existe a cultura do contador mágico, aquele que, independente da gestão, consegue esconder as mazelas realizadas. É por causa desta falta de gestão e transparência, associada à falta de ética profissional que estamos onde estamos financeiramente em muitos órgãos e entidades do setor público.

banco

Observe-se, por exemplo, o décimo terceiro ou gratificação natalina. É a obrigação mais previsível que existe desde o dia 1º de janeiro; no entanto, vergonhosamente, muitos recorrem a empréstimos de bancos, diga-se, ilegalmente, pois o empréstimo é em nome do servidor para saldar uma dívida que é do poder público, para saldar esta obrigação e acumular ainda mais encargos e dívidas para o próximo ano em uma roda de endividamento que se retroalimenta ano a ano.

Ao chegar-se ao final de mais um exercício, recomenda-se aos contadores que se instados a cancelar empenhos de produtos entregues ou serviços prestados, que solicitem esta determinação por escrito, registrem o passivo em conta de atributo “P”, que significa uma obrigação sem empenho, registrem em contas de controle a responsabilidade pela assunção de dívida sem recurso orçamentário e comuniquem ao controle interno local.

O contador, servidor público, ao submeter-se a ordens ilegais e deixar de assumir eticamente a sua responsabilidade de registrar os fatos tais quais eles acontecem, não faz papel de mágico, mas, sim, de outro personagem que, aliás, também trabalha em circo.

Paulo César Flores

Contador, CRCRS

IGAM

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *